Ir para o Conteúdo
imgcentral

Café com o Sensei

Pensamentos e comentários do Sensei Jorge Kishikawa


Últimas postagens:

06-abr-2011

Fortaleza Fortalecida 2

"O que se sucederia após a chegada do Sensei são lições valiosas sobre todos os aspectos do caminho, as virtudes samurais que tanto falamos e discutimos se encontram em abundância, palavras faltam para definir, atitudes sobram. Sou muito grato aos kamis por ter tido oportunidades tão valorosas de conviver com Sensei por esses dias que absolutamente nada que eu por ventura viesse a escrever seria condizente com o que senti.
Manhã de domingo, manhã de keiko. Sensei luta contra todos da Unidade, pego minha nito (duas espadas) e vejo que ninguém o faz, melhor redefinir a estratégia e seguro minha itto (espada longa). Observo atentamente cada luta do Sensei e vou percebendo a evolução constante enquanto os kyus vão mudando, a arte de um mestre de lutar desde um iniciante ao mais experiente é algo mágico, único de se ver. Sinto-me como numa galeria de arte a passear nos corredores enquanto Sensei mostra cada estilo de pintura, seu shinai é o pincel, mas os estilos, posturas mudam a cada minuto. É chegado minha vez de lutar: aquele local some... as pessoas ao redor somem... o sentimento é indescritível, sem palavra aprendemos, erramos e nas poucas vezes que acertamos fica na lembrança o sorriso do Sensei por dentro do bogu dizendo,"- Sim, é esse o caminho!".

Pausa para tapioca, momento de descontrair - mas não muito -, ainda temos Iaijutsu e Jojutsu. Minha concepção de Iaijutsu mudou completamente, o que se vê no Sensei nem de longe é um Iai estético, é sim muito belo, porém marcial. Podemos ver em cada corte, cada kiai, cada passo um oponente que se esvai. Guardei em minha mente aquela energia para ter como moldura para onde ir, uma trilha.
No Jojutsu mais uma vez tive a sorte dos kamis de fazer diversos katas repetidas vezes com Sensei, que ainda me ensina com maestria o direcionamento de como passar para os mais novos no Caminho. Estava com sede de conhecimento Sensei, mas ainda percebo quantos sabores ainda estão por vir, e isso é reconfortante. Para findar banho de mar com por do sol, não podemos deixar de ter o pensamento em como somos felizes por estarmos vivos naquele momento.









A quantidade de momentos, frases, explicações que me foram passadas fica até difícil relatar aqui, mas posso resumir brevemente ao dizer que o dojo é local de iluminação, mas diria ainda que é uma utopia, utopia de como a sociedade deveria alcançar com respeito e compaixão mútuas. Sensei é o caminho e tudo que ele faz condiz com isso, quão sortudos somos de poder estar próximos dessas lições.

O tempo dos mestres difere do tempo dos discípulos, assim como os deuses antigos do olimpo tinham um tempo diferente dos mortais, mas quão feliz é sentir esse tempo diferente, nem que seja por uns dias apenas, é sentir-se vivo e confiante que Bushido vivo é isso e não uma coletânea vazia de historietas zen."
Éder


"Lançamento do Shinhagakure, novo sucesso, samurais a postos, erros corrigidos imediatamente, jornais e blogs fotografando tudo."
Anderson

"Seja no treino ou simplesmente estando ao seu lado, em cada momento com o Sensei aprendemos algo novo, tanto no  caminho da espada ou como no caminho da vida."
Gleidson

05-abr-2011

Fortaleza Fortalecida 1

"Fortalecedora. Se eu pudesse resumir a vinda do Sensei em uma palavra, seria essa: Fortalecedora.
O gashuku para mim foi como um oásis para quem caminha no deserto, que limpa as miragens da vista e restaura as energias, renovando o espírito para continuar a caminhada. O Sensei nos treinou com transparência e vigor, levando a um ótimo gashuku.
No treino de Kenjutsu, lutou contra todos nós. Muitas espadas foram ao chão. Golpes surpresa surgiram. Acho que foi a primeira vez que lutei com o Sensei. Para mim, não parecia. Foi algo muito natural. Acredito que seja porque, agora, vejo o Sensei bem mais como um ser humano, em vez de um ser idealizado e de outro mundo. Essa percepção melhorou depois de conviver um pouco com ele; na praia, no jantar e no relançamento do Shin Hagakure; e de saber que sua mãe também viria para prestigiar o lançamento do Shin Hagakure (me fazendo lembrar que o Sensei também tem uma mãe, como todos nós).
Foi também a primeira vez que bebi com o Sensei. Foi um bom momento, mesmo eu não tendo o costume de beber; fiz um esforço. Essa noite me deu algumas coisas para refletir."

Lucas


 

"Confesso que me emocionei ao vê-lo desembarcando no Aeroporto Internacional Pinto Martins."
Victor


 

"Vendo o Sensei durante o Gashuku fica claro que o caminho nunca termina assim como o estudo e o treino necessário para trilha-lo. Não é apenas uma questão de técnica, trilhar o caminho vai muito alem da apenas compreensão técnica".
Victor


 

"O que mais me marcou neste Gashuku foi os jantares após o treino e lançamento do Shin Hagakure onde entendi o que é beber com o mestre, se você for chamado a mesa para beber com o mestre, beba com alegria."
Victor

01-abr-2011

1° Encontro Coordenadores - Vitória 4



"O encontro de Vitória foi marcante por ser bem sucedido em seu objetivo inicial: possibilitar a confraternização daqueles envolvidos em fazer o Niten funcionar e que, em outras ocasiões, não teriam o tempo ou a disponibilidade para fazê-lo. Foi também uma oportunidade de deixar a guerra de lado por um momento e desfrutar de tempos de paz, ainda que sem esquecer os katas do bushido.



De nota, para mim, não foi um momento específico, mas a forma como o evento se organizou. As pessoas ali envolvidas já sabiam os katas corretos e a forma como reagir a cada situação. Assim, sem palavras ou sem ordens diretas, tudo funcionava de forma tranquila e sem intercorrências, cada um assumia o seu papel naturalmente e cumpria com o necessário. Os horários eram observados, os objetivos eram alcançados e o encontro como um todo se desenrolou de forma natural, sem entraves ou rigidez.

O evento serviu como um ótimo modelo, um referencial para como todas as datas importantes do Niten devem acontecer.

As palavras do Mestre, naqueles dias, transmitiam os segredos não da técnica mas da própria vida. Cada olhar, cada pausa ou silêncio era carregado de significado e traziam a memória o repetido conselho de Musashi Sensei: "você deve refletir sobre isso".
Destaco o que foi dito naquele momento e repetido em momentos posteriores: o Sensei está buscando alguém para servir de exemplo e a tarefa de ser ou moldar essa pessoa recai, principalmente, entre aqueles que estavam ali presentes."


Fonseca - Unidade Belo Horizonte



31-mar-2011

Focar na luta, o Iaido Niten

"Shitsurei Shimassu por incomoda-lo com este e-mail, mas não poderia deixar de agradece-lo pelo treino de Iaido (Iaijutsu) de ontem! Para nós, alunos de unidades de fora de São Paulo, ter a oportunidade de treinar diretamente com o Sensei é sempre imperdível!
 
Sensei, aproveito pra dizer que no treino de ontem treinei somente os dois Katas que o Sensei me corrigiu, e pude perceber que o caminho é longo, beeeem longo, e que sei muito pouco ou quase nada! O treino de Iai focando a luta muda muita coisa, a percepção dos movimentos, de espaço e de velocidade nos Katas. Com certeza tenho muito material pra estudar!"


Otávio -Unidade Brasília


"Focar na luta".
É importante este conceito por que este vai ser o divisor de águas em relação ao seu treinamento.
A curto prazo, em relação ao que você vai buscar.
A médio e a longo prazo ao Caminho (ou mestre) que você vai trilhar.
Antigamente, "focar na luta" era a coisa mais óbvia a se fazer, se não o sentido praticamente de todo o treinamento dos Samurais.
Hoje em dia, a atenção de muitos praticantes de Iai tem se voltado para a busca de graduações. Medalhas. Torneios. Seus dirigentes têm modificado a cada geração as formas de tal maneira que  as sequências atuais diferem das originais e, examinando do ponto de vista técnico, tendem a priorizar o estético sobre o real.
Se você busca  o "focar na luta" no Iaijutsu, veja o video do Café de 24 de Março.

30-mar-2011

Cerrone X Paul Kelly

"Segunda luta UFC 126 - Cerrone x Paul Kelly


Assistindo essa luta com o Sensei, aprendi a perceber um pouco mais sobre maai(distância)...altura conta pontos na hora da luta, então quem é mais baixo não pode ficar no maai do outro. Quando fica parado na distância boa para o outro, leva e paga com sangue.
No caso, o lutador Cerrone é mais alto, e luta bem tranquilamente, pois o seu oponente Kelly está no seu maai, e sendo minado aos poucos.
São socos, chutes, controle de luta no chão...tudo para desestabilizar o oponente. Isso mostra a experiência de combate do Cerrone, e a sua estratégia. Obter o resultado sem precisar desperdiçar energia. Tanto que a luta teve o resultado esperado.
Isso me fez lembrar os Momentos de Ouro em que o Sensei fala sobre a palavra Atacar ... (CS - Vitor Belfort X Anderson Silva)"


Patricia - Unidade Campinas


Já eram 1h da madrugada  e as vésperas de ir embora , nem eu nem Patricia e nem todos estavam com sono. Assistimos todos lá no saguão do hotel o UFC126.
Bem, deixo aqui a minha interpretação sobre a luta:

- Os chutes na coxa e na perna não foram a toa; foi estratégia. É "quebrar" a perna do oponente.... cansar o oponente e ir minando aos poucos. Em Kenjutsu temos o "Yuko"(1/2 ponto) que tem seu fundamento baseado nesta estratégia. E, de acordo com o que tenho pesquisado ao longo dos tempo, estatisticamente , "nocautes" ou "Ippon" eram muito raros , se comparados  ao "Yuko". Melhor dizendo:  vencia-se os combates lesando aos poucos o seu adversário, pois era extremamente difícil aplicar um golpe certeiro.

- O tempo todo é Estratégia. Ele sabe o que está fazendo.

- Tudo saiu como ele (Cerrone) queria. Por ser expert no Jiujitsu , buscou desde o inicio a luta a curta distancia (corpo a corpo), acabou minando as pernas de Kelly  e feito isso,  deu o salto para finalizar com  o "mata leão"

- Também no combate com espada, devemos ser experts nos golpes a curta distancia, ou seja, dominarmos os  golpes soete (mãos sobre o dorso da lâmina) em caso de entrar em contato corporal com o oponente, e "matar qualquer leão" a nossa frente.

28-mar-2011

1° Encontro Coordenadores - Vitória 3

"O que mais me marcou de momentos que tive com o Sensei foi durante o mergulho, em que tive a oportunidade de ir na mesma equipe que o Sensei. Encarar as situações novas com coragem, sem ficar preocupando os outros, e simplesmente tentar - foi isso que o Sensei me transmitiu. Encontrar o Sensei debaixo d´água e perceber Ki até ali embaixo foi algo extremamente marcante. E gratificante de poder estar ao lado do mestre! Um momento de Mokuso!"
Patricia - Unidade Campinas

 


Antes de entrar no barco: todos bem
 


Depois de 2 horas: nem todos bem (enjôo)

 


Aqui está tudo jóia!

 


Estou com medo! Ai ai ai!

 


Que Legal!!!



OK!



OK!



Nossas




imagens



obtidas



a



12 metros



de profundidade

Acredite se quiser!

Como diz o Sensei : "A vida é curta  e cada dia deve ser vivido ao extremo .
Impressionante foi ver o Sensei  viver e aproveitar os momentos até o máximo na pratica . Sensei só sai do mar para comer e só! Pegou onda com qualquer objeto que servisse ao propósito e para minha surpresa, o Sensei chegou a ficar de pe no pranchão.
Stefam - Unidade Rio de Janeiro





"Os 3 surfistas"


Sensei faz...


Hawaii 5-0


"A caminhada para subir ao convento foi o Momento de Ouro para mim, onde o Sensei me passou vários ensinamentos (Kuden) - (CS - 13-06-2007 ###)"
Simonassi - Unidade Vitória


"A caminhada...



para o convento...


valeu a pena"

24-mar-2011

Iai de Guerra

"Sensei, escrevo hoje porque queria compartilhar com o Sensei algumas impressões e pensamentos que tenho tido este ano em relação aos treinos, mais notadamente, de iai.
 
No dia do primeiro treino do ano, na hora que tocou o alarme para acordar, tive a impressão, não sei se bem um sonho, que um monge daqueles que anda com um bastão com argolas penduradas na ponta de cima, avançou dentro do meu corpo e senti uma energia de "Vamos!", e levantei super bem e o treino foi ótimo, e assim tem sido todos os treinos do ano.
 
Depois disso, tem me ocorrido uns pensamentos sobre o treino de iai, como o fato de que todos os cortes, de qualquer estilo, precisam ser fortes e decididos como os cortes que se exige para as graduações do Niten. Não me parece que existe outra forma de corte, senão essa, expirando o ar, com sentimento de cortar o adversário, com movimento correto dos braços e, quando andando, aproveitando a energia cinética do corpo.
 
Quando estes cortes começam a sair, parece que muda o kiai, ele não é mais um kiai de treino, é de guerra. Não tem como cortar desse jeito e soltar um kiai simples. Se for para cortar correto, o kiai tem que ser correto, tem que ser de guerra, também tem que refletir o sentimento de cortar o adversário, talvez até mais, o sentimento de sobreviver porque foi capaz de cortar o adversário.
 
Sensei, não sei bem se é isso. Mas me parece ser isso. Não tem como treinar iai se não for assim. No passado talvez, talvez até porque isso nunca tinha me ocorrido, mas agora que pensei nisso, acho que é um caminho sem volta.
 
Sensei, domo arigatô gozaimashitá por tudo, especialmente porque o Sensei sempre tira uns minutos para ler o que eu penso!"

Simões - Unidade Curitiba


O Iai teve seu inicio já há 700 anos, quando Iizassa Chosai Ienao fundou o estilo Tenshin Shoden Katori Shintoryu.
De 700 anos até os dias de hoje, surgiram vários estilos de Iai, principalmente  a partir do periodo Edo, ou seja, a partir de 1603, quando o Japão mergulha em um período de paz, sob as rédeas e domínio do Shogun Tokugawa Ieyassu. Segundo o Shihan atual do estilo Tenshin Katori Shintoryu, mestre Risuke Otake , e o atual Soke(sucessor) do estilo Suyoryu Iai Kenpo, Yoshimitsu Katsuse, o Iai ( amplamente divulgado como "Iaido") carece de realidade no combate real. Ou seja, enfatiza-se em demasia o lado estético do  que propriamente ao combate.
Conversas a parte, na realidade ,o tal monge, citado por Simões, não  foi parte de um sonho.
Era eu , que tinha enviado um SMS para acordá-lo.

Iai de guerra

22-mar-2011

Vitor Belfort X Anderson Silva

"Durante o 1o Encontro de Coordenadores e Monitores em Vitória/ES (CS -1° Encontro de Coordenadores), tive a oportunidade de ficar ao lado do Sensei após a charutada do sábado. No saguão do hotel a TV estava ligada na luta do século: Silva x Belfort - UFC 126.
Foram momentos de ouro inesquecíveis sobre estratégia. Sobrevivência em combate.

 

Anderson Silva x Vitor Belfort:

O combate entre Silva e Belfort mostra dois lutadores mais experientes. Ficam um tempo considerável se estudando e mantendo a distância... um sem entrar no maai (distância) do outro.
Não sei se foi bem isso, mas dá impressão de que o Anderson Silva já está estudando se o chute poderia ser dado, e qual o momento certo. Como se estivesse medindo a distância que precisaria para fazer isso. Ele se utiliza de movimentos de braço e alguns de perna para medir o espaço entre eles.
E, quando o oponente menos esperava: chute no queixo/maxilar. Fatal.
Um ippon( 1 ponto). Para mim, um bote do tigre. Indefensável. "
Patricia (Unidade Campinas)


Meus comentários sobre a luta:
- Gedan (no Kenjutsu é quando a ponta mira o chão) é uma posição perigosa, e o resultado é esse.
- o chute foi um tsuki (no Kenjutsu é a estocada vindo de baixo), não tem defesa.
- Belfort  não esperava que a perna fosse chegar, mesmo colocando a cabeça mais para trás tentando se fechar, e recebeu o chute.
- Anderson Silva tem a perna mais longa, é mais alto e alcança mais.
 
Fechando: falando do ponto de vista estratégico e de maneira similar aos combates de Kenjutsu, Belfort estava com as 2 espadas um tanto "abertas" ao meio, enquanto Anderson Silva estava com a espada mirando a estocada, que no final, deu no que deu.

18-mar-2011

Egan


Link para o Egan

17-mar-2011

Ação X Pensamento

"Quando vi o Sensei em Wakigamae*, não sabia o que fazer pois por conhecer o Kata sabemos do perigo que ele representa o que contrasta com a visão do adversário em uma posição de aparente desvantagem ou para alguns menos atentos até em uma posição que não representa perigo. Não se sabe de onde vem o golpe, sabe-se que de onde vem vem um golpe certeiro. Ao tentar utiliza-lo e uma luta senti a dificuldade de achar uma posição  com o Kote e você fica vulnerável, sem a espada entre você e o inimigo. Neste momento penso comigo mesmo tem que ter muita coragem para utilizar este Kamae ele é muito forte, mas também te deixa muito exposto ao adversário."

Sensei se me permite depois que o Sensei passou Gedan com uma mão (Kamae do Niten Ichi Ryu de Miyamoto Musashi) tenho reparado em alguns detalhes que tem enriquecido a minha maneira de fazer os katas e agora tenho mais uma fonte de aperfeiçoamento."

Mendes - Unidade Ana Rosa

 

Este são as palavras de um aluno da categoria máxima em Kenjutsu após o treino.
As posições Wakigamae e o Katate Gedan, estudadas durante o treinamento, vão trazer em forma de  benefícios, fundamentos para poder atravessar o vasto oceano ou o inferno como denominariam alguns.
Aconselho a todo que se propõe empunhar a espada, que se aprofunde nos pensamentos do Wakigamae e no Katate Gedan . Ao menos isso.
Há pouco mais de um século ,escreveu o filosofo francês, Georges Bernanos: "Um pensamento que não resulte em ação é nada demais, e uma ação que não proceda de um pensamento não é nada."
Quantos sabem na ação (ou pelo menos chegaram perto de entende-lo) o que é o Wakigamae e o que é o Gedan?...


Wakigamae


Katate Gedan

* leia o Shin Hagakure pag.196 o verbete "Wakigamae"
 




topo

(+55 11) 5539-3587 seg-sex 9h-18h
(+55 11) 99734-6497 seg-dom 9h-22h